https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/issue/feed Revista Científica FACS 2023-12-24T17:59:21+00:00 Prof. Dr. Cláudio Manoel Cabral Machado e Profª. Drª. Mylene Quintela Lucca e revistafacs@gmail.com Open Journal Systems <p>A Revista Científica FACS é a idealização de publicações científicas estabelecendo uma ponte entre Ciência, Saúde e Sociedade. A interdisciplinaridade desejada, necessária e incentivada para escrever e discutir os campos de conhecimento nos cursos da área de saúde da UNIVALE tem seu espaço neste periódico. </p> <p>e-ISSN: 2594-4282<br />ISSN: 1676-3734</p> https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/613 Capa e editorial 2023-12-24T17:09:26+00:00 Isis Carolina Garcia Bispo bibliotecariaisis@gmail.com 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/607 A FOTOBIOMODULAÇÃO COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OSTEONECROSE DOS MAXILARES RELACIONADA À MEDICAMENTOS 2023-12-21T14:08:25+00:00 Alessyara Alves Dias alessyara.2000@gmail.com Denis Talis Reis denis.reis@univale.br Esther Cunha Gomes esthercunha017@gmail.com Lucas Otoni Vieira lucasvieirasn@gmail.com Thalia Thomaz Lima thaliathomaz5@gmail.com Vitoria Luz Fernandes Silva vitoriafernandes132@gmail.com <p>A osteonecrose dos Maxilares Relacionada à Medicamentos - ONMRM é o resultado de fatores que interferem na irrigação sanguínea e/ou na renovação óssea. A terapia de fotobiomodulação - FBM tem sido sugerida como uma modalidade de baixo custo e promissora no tratamento de pacientes com ONMRM de forma isolada ou como coadjuvante. O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão da literatura sobre a utilização e os benefícios da fotobiomodulação no tratamento da osteonecrose induzida por medicamentos. Os resultados encontrados demonstram que a FBM possui muitos efeitos benéficos, incluindo estimular formação tecidual e a cicatrização, aumentar a circulação sanguínea no local, reduzir inflamação, edema e dor. Por fim, conclui-se que a terapia com laser de baixa potência é útil como um tratamento coadjuvante da osteonecrose dos maxilares graças às suas propriedades biomoduladoras. Entretanto, se faz necessário mais estudos a respeito do seu mecanismo de ação.</p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">DIAS, A. A. </span><em><span style="font-weight: 400;">et al.</span></em><span style="font-weight: 400;"> A fotobiomodulação como alternativa no tratamento da osteonecrose dos maxilares relacionada à medicamentos: uma revisão da literatura. <strong>Revista Científica FACS,</strong> Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. 01-09, jul./dez. 2023</span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/606 GENOGRAMAS EM COMUNIDADES AFETADAS PELA HANSENÍASE 2023-12-21T13:27:53+00:00 Thais Daiane de Morais Souza thais.daiane@estudante.ufjf.br Lorena Bruna Pereira de Oliveira plorenabruna@gmail.com Cibele Velloso-Rodrigues cibele.velloso@ufjf.br Marlucy Rodrigues Lima marlucy.lima@univale.br Lucia Alves de Oliveira Fraga luciaalvesfraga@yahoo.com.br <p>A hanseníase, doença granulomatosa crônica causada pelo <em>Mycobacterium leprae</em> (<em>M. leprae</em>), afeta a pele, os nervos periféricos e a mucosa nasal. Este trabalho teve como objetivo identificar padrões específicos de interação social e familiar correlacionados com maior incidência de hanseníase. Este estudo descritivo e longitudinal envolveu a construção de genogramas das famílias participantes por meio do software <em>DRAW.IO</em><em><sup>®</sup></em>, incluindo dados relevantes. A senhora M.R.G teve três casamentos ao longo da vida, sendo observados casos de coinfecção por <em>M. leprae </em>e <em>S. mansoni </em>em membros do segundo casamento. É fundamental destacar que os resultados também mostraram dois casos positivos para LID (anticorpo anti-proteína recombinante do <em>M. leprae</em>), presença de cicatrizes BCG em sete membros da família, além de anticorpos sorológicos IgG4 contra antígenos de <em>S. mansoni </em>em quatro participantes do estudo. Foi possível observar a presença de indivíduos monoinfectados e coinfectados por hanseníase e esquistossomose apresentando produção das citocinas IL-4, IL-10, IL-17 e IFN-γ e das quimiocinas CCL2, CXCL8, CXCL9 e CXCL10, em culturas estimuladas. A continuidade deste estudo e o monitoramento dos contatos são relevantes para melhor delinear os fatores de risco nesta comunidade de Limeira de Mantena/MG. Nossos resultados fornecem uma perspectiva abrangente sobre a interseção dessas condições de saúde na população estudada, apontando para a necessidade de uma abordagem integrada e específica para enfrentar esses desafios de saúde pública. Indica, portanto, a necessidade de intervenções com políticas de saúde pública eficazes.</p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">SOUZA, T. D. M. </span><em><span style="font-weight: 400;">et al.</span></em><span style="font-weight: 400;"> Genogramas em comunidades afetadas pela hanseníase: explorando aspectos sociais e fatores de risco em Limeira de Mantena-MG.</span><strong> Revista Científica FACS</strong><span style="font-weight: 400;">, Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. 10-24, jul./dez. 2023. </span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/608 IDENTIFICAÇÃO HUMANA POST MORTEM E A ODONTOLOGIA LEGAL 2023-12-21T14:45:52+00:00 Bianca Lopes de Moura bianca.moura@univale.br Carla Wanessa Oliveira Maia carla.maia@univale.br Carolaine da Rocha Oliveira carolaine.oliveira@univale.br Isabela Brito Nascimento isabela.nascimento@univale.br Isabela Ribeiro Vidal isabela.vidal@univale.br Maíra Cristina Avelino Coutinho Lebrão maira.coutinho@univale.br Romero Meireles Brandão romero.brandao@univale.br Marileny Boechat Frauches Brandão marileny.brandao@univale.br <p>O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão da literatura sobre a identificação humana post mortem por meio da Odontologia Legal, destacando possíveis recursos técnicos e a importância da documentação odontológica. A Odontologia Legal realiza a identificação humana post-mortem por meio das características das arcadas dentárias e face dos indivíduos. Nas situações em que há dificuldade de reconhecimento do cadáver, como em casos de corpos esqueletizados, carbonizados e em estado de putrefação, a perícia odontológica ganha destaque, visto que, os elementos dentários são altamente resistentes à degradação. A identificação odontológica relaciona características dentárias verificadas no cadáver com as informações contidas no prontuário clínico, produzido pelo cirurgião-dentista durante o tratamento do indivíduo. Ainda pode-se recorrer ao exame de DNA para identificação humana. Conclui-se que o cirurgião-dentista deve ser responsável pela confecção e manutenção do prontuário com informações precisas, obtidas durante o atendimento clínico, contribuindo assim para o processo de identificação humana post mortem.</p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">MOURA, B. L. </span><em><span style="font-weight: 400;">et al</span></em><span style="font-weight: 400;">. Identificação humana </span><em><span style="font-weight: 400;">post mortem</span></em><span style="font-weight: 400;"> e a odontologia legal. </span><strong>Revista Científica FACS</strong><span style="font-weight: 400;">, Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. 25-41, jul./dez. 2023. </span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/609 IMPACTOS DAS ENCHENTES DO RIO DOCE EM GOVERNADOR VALADARES NO PERÍODO DE 2013 A 2022 2023-12-21T16:02:52+00:00 Diogo Marçal Chaves diogo.chaves@univale.br Clara Belmiro Rodrigues de Assis clara.assis@univale.br Sheila Aparecida Ribeiro Furbino sheila.furbino@univale.br <p>Diversas cidades ao longo das margens do Rio Doce sofrem com enchentes todos os anos, por fatores como a urbanização, impermeabilização do solo, pavimentação, entre outros. Também é inegável a contribuição do ser humano como causador de problemas ao meio ambiente. O estudo teve como objetivo geral relatar e analisar os impactos das enchentes do Rio Doce em Governador Valadares no período de 2013 a 2022. Como metodologia optou-se pela pesquisa documental em exemplares digitais do Jornal Diário do Rio Doce nas edições dos anos de 2013 a 2022, publicados em Governador Valadares. Para discussão dos resultados foram realizados levantamento de dados bibliográficos em bases virtuais confiáveis, onde foram selecionados artigos completos, em português, atemporal. Identificou-se que os principais fatores das enchentes do Rio Doce em Governador Valadares no período de 2013 a 2022 foram as chuvas intensas, trombas d'águas e chuvas nas cabeceiras além do rompimento de barragens. Conclui-se que dentre os danos provocados pelas enchentes, estão os danos psicológicos, físicos, socioeconômicos e danos à infraestrutura, acometendo a população em geral. Diante ao exposto, é essencial que a população vulnerável aos fatores postulados para as enchentes do Rio Doce em Governador Valadares sejam cautelosos quando houver alertas de chuvas na região.</p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">CHAVES, D. M.; ASSIS, C. B. R.; FURBINO, S. A. R. Impactos das enchentes do Rio Doce em Governador Valadares no período de 2013 a 2022: pesquisa documental. </span><strong>Revista Científica FACS</strong><span style="font-weight: 400;">, Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. 42-52, jul./dez. 2023. </span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/610 PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO, VIVÊNCIAS UNIVERSITÁRIAS E SUAS ASSOCIAÇÕES COM TRANSTORNOS MENTAIS COMUNS ENTRE ESTUDANTES 2023-12-21T16:23:58+00:00 Marina Mendes Soares marina.soares@univale.br Glaucia dos Santos Marcondes gal@nepo.unicamp.br Amilton dos Santos Júnior amilton@fcm.unicamp.br Renata Cruz Soares de Azevedo reazeved@unicamp.br Suely Maria Rodrigues suely.rodrigues@univale.br Paulo Dalgalarrondo pdalga@unicamp.br <p>O trabalho objetiva verificar a associação entre Transtornos Mentais Comuns - TMC com fatores demográficos, socioeconômicos e a relação dos universitários com seu curso e a universidade. Trata-se de um estudo transversal realizado em 2017 e 2018, com estudantes de 17 a 25 anos (n=6.262), matriculados nos cursos de graduação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Para identificação dos possíveis casos de TMC, utilizou-se o instrumento padronizado <em>Self Reporting Questionnaire</em> (SRQ–20) e para o aprofundamento da análise aplicou-se teste de Qui2. Destaca-se as maiores probabilidades de TMC entre os estudantes de menor nível socioeconômico, não heterossexuais, que faltam às aulas com frequência, e que já buscaram pelos serviços de assistência à saúde mental da Universidade. As menores prevalências de TMC foram associadas ao sexo masculino, estudantes mais velhos, satisfeitos com o curso, que se sentem bem como alunos da UNICAMP, com bom desempenho acadêmico e possuem local adequado para estudo em casa. Evidencia-se a importância da instituição conhecer e utilizar estratégias para mitigar o estresse percebido em relação às distintas áreas da vida social e acadêmica dos alunos, tais como dificuldades financeiras, as discriminações socialmente estabelecidas e a adaptação à vivência universitária. </p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">SOARES, M. M. </span><em><span style="font-weight: 400;">et al.</span></em><span style="font-weight: 400;"> Perfil sociodemográfico, vivências universitárias e suas associações com transtornos mentais comuns entre estudantes. </span><strong>Revista Científica FACS</strong><span style="font-weight: 400;">, Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. </span><span style="font-weight: 400;">53-67</span><span style="font-weight: 400;">, jul./dez. 2023.</span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/611 POVO INDÍGENA E A FORMAÇÃO MÉDICA 2023-12-21T17:37:51+00:00 Karina Borges Chaves karina.chaves@univalel.br Lara Gomes Silva lara.gomes@univale.br Lorena Bruna Pereira de Oliveira lorena.oliveira@univale.br Layla Dutra Marinho Cabral layla.cabral@univale.br <p>Em consonância com o direito universal à saúde conferido a todos os cidadãos brasileiros, torna-se importante assegurar uma assistência integral e eficaz à população indígena. Neste sentido, destaca-se a necessidade de uma abordagem de saúde que esteja atenta às particularidades dessas comunidades minoritárias, e para tal se faz essencial a abordagem de temas relacionados a programas de formação dos profissionais de saúde. O presente estudo visa identificar as percepções de alunas de graduação em medicina da Universidade Vale do Rio Doce - UNIVALE acerca da importância de uma política de saúde inclusiva para os povos indígenas, assim como a inclusão da temática no curso de graduação. Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência, com a coleta de dados realizada durante estudos e atividades práticas do módulo "Saúde e Sociedade", abrangendo temáticas relacionadas à saúde indígena na UNIVALE, além da participação em projeto de pesquisa correlato. O atendimento indígena em nível nacional ainda evidencia muitas desigualdades. Nesse sentido, as instituições de ensino desempenham um papel crucial na formação de profissionais de saúde capazes de atuar competentemente junto à população indígena. Ressalta-se, portanto, a necessidade de fundamentar a capacitação e especialização desses profissionais em uma abordagem etnocultural, integrando saberes científicos e empíricos de maneira sinérgica. Essa abordagem se revela crucial para promover a saúde e garantir a adesão a práticas de cuidado nas comunidades indígenas.</p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">CHAVES, K. B. </span><em><span style="font-weight: 400;">et al.</span></em><span style="font-weight: 400;"> Povo indígena e a formação médica: um relato de experiência. </span><strong>Revista Científica FACS</strong><span style="font-weight: 400;">, Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. 68-79, jul./dez. 2023.</span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS https://periodicos.univale.br/index.php/revcientfacs/article/view/612 USO DE PSICOESTIMULANTES DE VENDA LIVRE POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DA SAÚDE 2023-12-21T17:56:19+00:00 Joyce Lenny Viana Ramos joyce.ramos@univale.br Mariana Ramalho Procópio de Oliveira Salles mariana.salles@univale.br Michelly Hellen da Silva michellyhellen5@gmail.com Yasmin Danthara Brito Soares yasmin.soares@univale.br Clara Castro Alves Braga clara.braga@univale.br Layla Dutra Marinho Cabral layla.cabral@univale.br <p>A dedicação e responsabilidade exigidas na vida acadêmica podem resultar em sobrecarga, manifestando-se muitas vezes como estresse e exaustão. Os psicoestimulantes, substâncias que afetam o cérebro e influenciam o humor, pensamentos e comportamentos, tornam-se opção para estudantes que buscam aprimorar seu desempenho, notadamente visando aumentar a produtividade, a memória e as habilidades cognitivas. Este estudo qualitativo consiste em uma revisão bibliográfica sistemática, centrando-se na análise do perfil de estudantes da área da saúde que fazem uso de psicoestimulantes de venda livre. A pesquisa investiga as substâncias mais consumidas, a frequência de uso e os sintomas relatados após ingestão. Constatou-se diante dos levantamentos realizados que estudantes de enfermagem e farmácia são os principais usuários dessas substâncias, sendo o público feminino predominante. Entre os psicoestimulantes de venda livre mais utilizados pelos acadêmicos da área da saúde, destacam-se a cafeína, energéticos e pó de guaraná, sendo a cafeína apontada como a mais consumida, seguida pelos energéticos. Os sintomas frequentemente associados ao uso dessas substâncias incluem dor abdominal, náuseas, sudorese e taquicardia. A frequência de consumo está relacionada à sobrecarga de compromissos acadêmicos, como a dupla jornada e períodos de avaliações, nos quais a melhoria do desempenho acadêmico e concentração torna-se desejada. Diante desses resultados, torna-se evidente a importância da disseminação de informações no meio acadêmico sobre os psicoestimulantes de venda livre. Isso se revela essencial, dada a significativa parcela de consumidores e a falta de conhecimento acerca dos riscos associados à ingestão dessas substâncias.</p> <p><strong>Como citar</strong></p> <p><span style="font-weight: 400;">RAMOS, J. L. V. </span><em><span style="font-weight: 400;">et al.</span></em><span style="font-weight: 400;"> Uso de psicoestimulantes de venda livre por estudantes universitários da área da saúde.</span><strong> Revista Científica FACS</strong><span style="font-weight: 400;">, Governador Valadares, v. 23, n. 2, ed. 30, p. 80-93, jul./dez. 2023.</span></p> 2023-12-24T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2023 Revista Científica FACS